Saiba o que fazer quando encontrar passarinhos caídos do ninho

Saiba o que fazer quando encontrar passarinhos caídos do ninho

Publicado em 13/01/2020 - Editado em 22/01/2020
Para cada caso de passarinho caído do ninho, há um procedimento para se prestar os primeiros socorros
Crédito
Lu Freitas

Quando encontramos um passarinho caído no chão, o nosso primeiro instinto é ajudá-lo. Mas, para garantir o bem-estar do animal, é preciso ter certeza de que o que estamos fazendo é o melhor para o bichinho.

Sendo assim, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam), por meio da Diretoria de Proteção Ambiental (DPA), elaborou algumas dicas de como cuidar e prestar os primeiros socorros a estes seres, garantindo assim, a saúde e segurança do animal.

Como ajudar um passarinho que caiu do ninho:

- Decida se o pássaro precisa de ajuda: se ele estiver machucado ou aparentar que esteja doente, certamente vai precisar de atendimento imediato de um veterinário. Se há indícios de incapacidade de se mover ou bater as asas, feridas visíveis, sangramento, tremor e asas caídas de modo irregular, aí é o caso de encaminhar a um atendimento veterinário.

- Há pássaros com os quais você não deve lidar: se a ave em questão tiver um bico grande e pontudo, ou se for uma coruja, falcão, urubu, gavião, garça ou qualquer ave de rapina, não mexa nela. Elas, se estiverem feridas ou assustadas, podem se defender. Anote a localização do pássaro e, em seguida, chame a DPA/Semam ((51) 3097-1990 e (51) 3524-0356).

- Aqueça-o: caso ele pareça frio ao toque, aqueça-o e coloque numa caixa. Em uma das extremidades da caixa, coloque uma bolsa térmica ou uma garrafa pequena com água quente/morna envolta em um pano. Não coloque a caixa inteira sobre a almofada. Certifique-se que o recipiente não esteja vazando, mantendo o local seco para o conforto do animal.

Se a ave estiver com lesões ou sinais de doenças:

- Faça uma caixa ninho: se o pássaro estiver machucado (e, naturalmente, não for uma ave de rapina adulta), é preciso transportá-lo em segurança. Pegue uma caixa de sapato ou similar, bem limpo, e faça furos para ventilação. Forre a caixa com um pano limpo ou com papel toalha. Lave as mãos e coloque luvas, se tiver. Com cuidado, erga o passarinho ferido e coloque-o na caixa, levando em seguida ao veterinário.

- Não mexa muito no pássaro: depois de colocá-lo em um lugar seguro e aquecê-lo, é melhor deixá-lo em paz. É essencial que não o alimente e não o manuseie sem necessidade. Quando um pássaro está em choque, com frio e desidratado, ele não consegue fazer a digestão corretamente. Não tente cuidar dele por conta própria, a não ser que tenha instruções para fazer isso de um veterinário ou especialista.

Se a ave estiver saudável:

- Tente descobrir a idade do pássaro: se a ave encontrada não estiver machucada, é preciso tentar ajudá-la sem necessariamente retirá-la do habitat. Os passarinhos mais novos, que ainda ficam no ninho, não devem ficar fora dele. Esses passarinhos têm poucas penas e os mais novinhos ficam com os olhos fechados. Filhotes mais velhos têm penas e geralmente são encontrados saltando no chão. Os mais velhos estão aprendendo a voar, então é normal encontrá-los fora dos ninhos.

- Devolva o bichinho: se ele for saudável, faça uma busca visual no local, procurando o ninho. Ao encontrar o ninho, caso ele seja acessível, é preciso colocar a ave de volta no lar. Use luvas e devolva-a com cuidado ao ninho. A propósito, os pais cuidarão do bichinho, mesmo que tenha sido manipulado por um ser humano.

- Faça um ninho substituto: se não há como chegar até o ninho, improvise um, com algum pote limpo de margarina, uma caixa de isopor, tudo vale. Faça furos no fundo para que tenha uma drenagem correta, forre-o com papel toalha seco e pendure-o em uma árvore ou arbusto próximo ao ninho antigo, evitando deixar perto de cães e gatos. Se em duas horas os pais chegarem, missão cumprida! Do contrário, aí, sim, chame o órgão ambiental. Filhotes mais velhos, deixe num galho, onde ele fique empoleirado com segurança. Vale a regra: se os pais não voltarem, aí chame ou leve para a Semam. Evite dar água ou alimento, a menos que você conheça bem aves.